1. Dois corpos no chão, que azar!

    Deixe um comentário

    Janeiro 17, 2015 por Hiago Vinícius

    Ultimamente tenho visto corpos. Não é uma metáfora, uma mania estranha ou algo espiritual. Não estou tresvariando: ultimamente tenho mesmo …
    Continue reading

  2. Entende?

    Deixe um comentário

    Janeiro 14, 2014 por Hiago Vinícius

    É esse homem, você entende? Não, não entende. Ninguém entende. Eu não entendo. Ele não se entende. E ninguém pode …
    Continue reading

  3. 11.01.2014

    Deixe um comentário

    Janeiro 11, 2014 por Hiago Vinícius

    O sorriso do menino Que escorrega de uma ponta a outra desse rosto Marcado Por outros sorrisos passados E surras …
    Continue reading

  4. Sob o velho carvalho

    3

    Janeiro 9, 2014 por Hiago Vinícius

    Alfred viu pela janela do quarto a picape do Engenheiro desaparecer na imensidão da estradinha de Terra para além das …
    Continue reading

  5. Parnaso XXI

    Deixe um comentário

    Janeiro 6, 2014 por Hiago Vinícius

    Esta poesia Não me sairá uma ode a Bilac, Não é uma canção Jobinesca, Nem uma imitação de Drummond. Não …
    Continue reading

  6. Sempreviva

    1

    Dezembro 27, 2013 por Hiago Vinícius

    a boca de bethânia que abocanha o mundo como quem bole com facas e expele fogo raio vento que explode …
    Continue reading

  7. 1

    Dezembro 22, 2013 por Hiago Vinícius

    Papai Noel existe sim O que não existe é gente morrendo de sede Matando por fome Todos os dias Na …
    Continue reading

Agosto 2017
S T Q Q S S D
« Jan    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Se você digitar seu endereço de e-mail aqui nessa caixinha, vou te poupar do trabalho de buscar o blog sempre que tiver uma postagem nova.

Junte-se a 760 outros seguidores

literartista

Entre, sente, pegue um café e relaxe.

Datilografada

Cicatrizes de tinta numa pele de pixels.

Kirmiz

Tangendo a lira dos vinte anos

- sobre a inquietude -

E por mais que tente, rodeie, invente, se acaba cedendo à necessidade. Logo pinta e borda, a mente dando corda ao turbilhão errante que o peito invade.

Astronauta Paleolítico

As pinturas rupestres do mundo contemporâneo.

Amarras Mentais

Pois não há tesouras na mente.

Implícita(mente)

Escrita em expansão

crônicas dum rabo de piche.

enterrado inteirinho na mesóclise que cospe o sugo lusitano.

Maior Nietzschedez

Um incessante e sagrado desejo de escrita, de amostra. Uma tentativa muito pueril de amar!

O Grande Desfile dos Pacotes Inanimados

Fábulas urbanas? Contos humanos? Eu finjo que sei, você finge que entende, nos damos bem.

sobre as coisas que eu ando lendo

relatos sobre essas experiências da vida

Literatortura

sua página de cabeceira!

Fernanda Young | Textos

Site não oficial

Je ne veux ni prose ni vers.

4 out of 5 dentists recommend this WordPress.com site

PORTAL MARIA RITA

Desde 2003, seu canal mais bacanudo sobre Maria Rita

Leitura Escrita

Porque as duas coisas andam juntas.